Translate

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

A IGREJA PRECISA DE LÍDERES SÁBIOS E ENTENDIDOS


Quem é sábio e tem entendimento entre vocês? Tiago 3.13

A Igreja local que conta com gente tola ou ignorante ocupando sua liderança tende a viver diversos problemas que são resumidos em Tiago 3.16: confusão e toda espécie de males. E para que a Igreja não seja um território de confusão (babel), é necessário que sua liderança seja sábia e entendida. Por isso, Tiago registrou a pergunta: Quem é sábio e tem entendimento entre vocês?

Líderes sem sabedoria, tolos e ignorantes põem o rebanho a grandes riscos. Nas prerrogativas para que alguém se torne pastor na Igreja, Paulo escreveu que não ser neófito é uma delas. Neófito significa "novo na fé" ou inexperiente, imaturo, despreparado (I Tm 3.6). Neste texto Paulo explica o risco que corre um pastor neófito: para que não se ensoberbeça e caia na mesma condenação em que caiu o Diabo. Nada pior para uma Igreja do que ter líderes que reproduzem a rota traçada pelo Diabo.

Precisamos de uma liderança sábia e inteligente. Sábios com a sabedoria que buscamos e encontramos em Deus. Tiago 3.17 registra que a sabedoria que Deus nos dá é: pura, pacífica, amável, compreensiva, cheia de misericórdia e de bons frutos, imparcial e sincera. No verso 13, Tiago acrescenta que a sabedoria que Deus nos dá está atrelada também à humildade. Ou seja: líderes sábios são humildes de verdade. 

A sabedoria e a inteligência dependem também de esforço e dedicação. Nossas inteligências e habilidades naturais precisam ser desenvolvidas pelo uso constante. É o que Hebreus 6.14 ressalta: O alimento sólido é para os adultos, os quais pelo exercício constante, tornam-se aptos para discernir tanto o bem como o mal. A mente precisa ser estimulada. A fé também precisa ser alimentada. Por isso o texto bíblico afirma que para digerirmos "alimentos sólidos", referindo-se à doutrina da Palavra, é preciso desenvolvermos nossa mente pelo esforço e perseverança. 

Que livros você está lendo? Quantos livros você adquiriu e leu neste ano? Qual o tamanho da sua biblioteca? Sobre que temas você é capaz de discorrer, de conversar? Quais são os assuntos que lhe interessam? 

Ai da Igreja que cai na mão de gente invejosa e egoísta! Tiago, no mesmo capítulo 3, denuncia as pessoas que estão nas Igrejas mas que são desqualificadas a ocuparem liderança. Desqualificadas porque são "espertas para o mal" - têm o que Tiago chama de "sabedoria maligna" (Tg 3.14). É gente que mais parece discípula do Diabo do que de Cristo. Tiago diz que a "sabedoria maligna" que estas pessoas têm é diabólica. E, justamente por isso, produzem "confusão e toda espécie de males" em suas respectivas Igrejas.

Quem são os sábios e entendidos entre nós? Daniel e seus amigos se esforçaram e consagraram. Em pouco tempo eram dez vezes mais sábios e entendidos do que os especialistas da Babilônia. Pois a Igreja do Avivamento precisa de líderes do porte de Daniel, Hananias, Misael e Azarias. 

Não abrimos mão de formarmos um exército de sábios e entendidos na Palavra e em matéria de viver dignamente em Deus. 

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

A MENTE PREPARADA DE UM LÍDER FIEL


Portanto, estejam com a mente preparada, prontos para agir; estejam alertas e coloquem toda a esperança na graça que lhes será dada quando Jesus Cristo for revelado. I Pedro 1.13

O apóstolo Pedro recomendou que os crentes tenham a "mente preparada" para poderem atuar em cumprimento à Missão que o Senhor nos entregou.

1o. Ter a mente preparada significa ser curado de todos os traumas emocionais. Toda pessoa traumatizada nas emoções torna-se um prisioneiro do passado. As feridas na mente, provocada por sentimentos não resolvidos, intoxicam a pessoa e impedem sua mente de sonhar, planejar e agir com equilíbrio e eficiência.

O remédio para a cura de todo trauma emocional se chama "perdão e confissão" (Sl 103.3: É Ele que perdoa todos os seus pecados e cura todas as suas doenças. Tg 5.16: Portanto, confessem os seus pecados uns aos outros e orem uns pelos outros para serem curados.

2o. Ter a mente preparada significa ter uma identidade espiritual em Cristo. Em I Pe 1.14, o apóstolo nos faz lembrar que somos "filhos obedientes de Deus". No verso seguinte, ele afirma que fomos chamados a "sermos santos", como o nosso Pai. Saber quem você é em Cristo é indicativo de ter uma mente preparada para exercer o Ministério. 

3o. Ter a mente preparada significa também vencer a ignorância. Ser ignorante significa não saber o que você tem o dever de saber. Há muitas coisas que não tenho obrigação de conhecer. Porém, como servos de Deus temos o dever de conhecer os Princípios da vida em Cristo, a Doutrina da fé, o Caráter de Deus e a Visão que Ele tem para nós.

Em Oséias 4.6, o Senhor afirma: Meu povo foi destruído por falta de conhecimento. Em Dt 4.6, o Senhor anuncia seu desejo de que Israel seja reconhecido pelas outras nações como um povo sábio e inteligente. Este é o desejo de Deus em relação à Igreja de Cristo também. Rompa com a ignorância!

4o. Ter a mente preparada significa ainda desenvolver a inteligência emocional. Há irmãos que têm grande capacidade e que poderiam ser canais de muitas bênçãos para o Corpo de Cristo, mas que põem a perder oportunidades e recursos por pura falta de inteligência emocional. São inaptos a lidar com contrariedades e frustrações. São infantis emocionalmente para lidar com críticas e cobranças.

A inteligência emocional consiste em adquirir habilidade para suportar e manter equilíbrio em face a angústias. Em Pv 25.28, a Bíblia afirma: Como a cidade com seus muros derrubados, assim é quem não sabe dominar-se. Em Pv 29.11: O tolo dá vazão à sua ira, mas o sábio domina-se. Inteligência emocional é a capacidade de dominar-se e não se deixar levar por sentimentos. Ter a mente preparada significa ser equilibrado emocionalmente.

Que você seja um líder com a mente preparada para que muitas vidas sejam abençoadas através de sua vida. 

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

OS BOANERGES TÊM SEDE DE VINGANÇA


Aproximando-se o tempo em que seria elevado aos céus, Jesus partiu resolutamente em direção a Jerusalém. E enviou mensageiros à sua frente. Indo estes, entraram num povoado samaritano... Lucas 9.51-52

Boanerges foi o nome que Jesus, o Senhor, deu aos apóstolos filhos de Zebedeu, Tiago e João. Quem revela este fato é Marcos (Mc 3.17). Nem mesmo o Evangelho escrito por João contém esta informação - ao contrário, João referiu-se a ele mesmo como "o discípulo amado". Boanerges, na língua aramaica, significa "filhos do trovão" - sinônimo de briguentos, irados, tempestivos...

No primeiro ano do ministério de Jesus, na cidade de Sicar, os apóstolos tiveram a oportunidade de aprender uma grande lição com o Mestre. Em João 4 temos o relato do encontro de Jesus com a mulher samaritana e do resultado maravilhoso, com uma grande parte da população da cidade se rendendo a Jesus. 

Praticamente três anos depois, já nas semanas que antecederam a Paixão, os apóstolos passam novamente com Jesus pelo território samaritano. E os irmãos Boanerges dão mostras da razão de terem recebido esta alcunha. Diante da recusa do povoado samaritano em receber a Jesus e sua Equipe, os apóstolos Tiago e João tiveram a pachorra de oferecer esta solução para Jesus: Senhor, queres que façamos cair fogo do céu para destruí-los? (Lc 9.54).

A resposta de Jesus foi contundente: Vocês não sabem de que espécie de espírito são, pois o Filho do homem não veio para destruir a vida dos homens, mas para salvá-los. (Lc 9.55). Ou seja, tanto tempo caminhando com Jesus e ainda estavam tão longe de comungar da Visão e do caráter dEle!

Os Boanerges eram da linha de frente dos Doze! Eram do reteté!!! Tinham fé suficiente para crer que obteriam manifestação somente conquistada por gente do quilate de Elias. Mas faltava-lhes o principal: Visão do Reino dos Céus e caráter de Jesus. Eles precisavam ver como Jesus, amar como Jesus e buscar o que Jesus buscava em prol das pessoas.

Seja como Jesus. Ame os inimigos. Queira a salvação dos antipáticos. Libere perdão a todos que lhe ofenderem. E busque primeiro o Reino de Deus. 

ABERTOS PARA A NOVIDADE DE DEUS


Nisso veio uma mulher samaritana tirar água. Disse-lhe Jesus: Dê-me um pouco de água. Os seus discípulos tinham ido à cidade comprar comida. (João 4.7-8)

A cidade samaritana chamava-se Sicar e Jesus fez questão de ficar sozinho junto ao poço aberto pelo patriarca Jacó, enquanto enviava toda sua Equipe de Doze com a difícil missão de comprar comida. Doze homens para comprar comida? Na verdade Jesus queria "livrar-se" dos Doze por algum tempo. 

Este relato nos faz pensar que existem pessoas que por não aceitarem o "novo de Deus" acabam atrapalhando o Projeto. Para os apóstolos seria inadmissível conversar com samaritano, do sexo feminino e com um histórico moral absurdo (estava no 6o. relacionamento conjugal). 

Jesus sabia que aquela mulher era uma "pessoa chave" para alcançar aquela cidade. Tanto que em apenas dois dias praticamente toda a cidade aceitou o fato de que Jesus era o Messias (cf. Jo 4.39). Os Evangelhos nos mostram Jesus buscando outras destas pessoas chaves. Zaqueu, o publicano de Jericó. O endemoninhado gadareno. Saulo de Tarso - o perseguidor mais ferrenho da fé no Nazareno. A estes o Senhor fez questão de revelar-se de modo especial pois através deles muitos outros seriam alcançados.

O Senhor renova suas misericórdias, seu amor e Graça sobre nossas vidas. Não podemos ficar "engessados" a fórmulas antigas e aceitar sempre o que Ele tem de melhor para nós. Ser renovado ou avivado é manter-se aberto para o melhor de Deus.

Em Isaías 43.18-19, encontramos: Esqueçam o que se foi; não vivam no passado. Veja, estou fazendo uma coisa nova! Ela está surgindo! Vocês não a reconhecem? 

Se você recusa-se ao renovo de Deus pode ser que Ele precise mandar você "comprar comida" por um tempo... 

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

ASTUTOS COMO SERPENTES E SEM MALÍCIA COMO POMBAS


Em Mateus 10.16, o Senhor Jesus afirmou aos seus Doze: Eu os estou enviando como ovelhas entre lobos. Portanto, sejam astutos como as serpentes e sem malícia como as pombas. Diante do desafio de lidar com pessoas difíceis e perigosas (a quem Ele chamou de lobos), Jesus ordenou que seus discípulos buscassem e mantivessem estas duas características relacionadas às serpentes e às pombas.

Noutro texto, Lucas 16.8, no teor da Parábola do Mordomo Infiel, Jesus fez esta observação: O Senhor elogiou o administrador desonesto, porque agiu astutamente. Pois os filhos deste mundo são mais astutos no trato entre si do que os filhos da luz. Para Jesus, em geral, falta astúcia aos filhos da luz, que são os servos de Deus. Sem astúcia, os crentes são costumeiramente feitos de bobos!

Que chance têm os filhos da luz num mundo onde tantos astutos malignos interagem? Que possibilidades de êxito têm as ovelhas num mundo onde os lobos maus investem ferozmente? 

Em Os 4.6, o Senhor diz: Meu povo foi destruído por falta de conhecimento. Por outro lado, em Pv 24.5, a Bíblia garante que Sabedoria é Poder: O homem sábio é poderoso, e quem tem conhecimento aumenta a sua força. Somos conclamados a buscar mais sabedoria, adquirir mais conhecimento e a desenvolver a astúcia para realizarmos a Obra do Senhor com êxito.

Em Dt 4.6, encontramos que no Antigo Testamento o Senhor Deus planejou que Seu Povo, Israel, estivesse acima das outras nações em matéria de sabedoria e inteligência. Os Princípios, os Mandamentos e todo o sistema de adoração e ensino planejado por Deus visava colocar Israel neste nível: Os outros povos verão a sabedoria e o discernimento de vocês... e dirão: de fato esta grande nação é um povo sábio e inteligente. (Dt 4.6).

Jesus planejou Sua Igreja como sendo uma Casa de Oração e um lugar de ensino. O sistema de discipulado é um modelo de ensino visando a excelência. Todo discípulo deve objetivar crescer até a estatura plena de Jesus Cristo. Por isso a ordem e a Missão que nos foi dada é clara: Vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a obedecer a tudo o que lhes ensinei. (Mt 28.19-20).

Misericórdia e Sabedoria são duas dádivas que os discípulos devem aprender a rogar diariamente a Deus. A sabedoria é um dom que a Bíblia garante que Deus dá indistintamente a todo que lhe pede (Tg 1.5). Sabedoria do alto é uma dádiva que deve ser exercitada, praticada, até tornar-se em astúcia. 

O Faraó do Egito viu em José, o jovem de trinta anos de idade, uma grande capacidade para gerenciar a prosperidade e a crise no país. Toda aquela astúcia de José foi adquirida durante pelo menos treze anos de treinamento forçado na dureza e na prova. A sabedoria do alto tornou-se astúcia para liderar um grande projeto na medida que José passou por experiências duras, frustrações, perseguições, injustiças, privações... 

A sabedoria é uma dádiva que tem efeitos colaterais. Enquanto os tolos são "mais risonhos", os sábios sofrem, de acordo com o autor de Eclesiastes: Pois quanto maior a sabedoria, maior o sofrimento e quanto maior o conhecimento, maior o desgosto. (Ec 1.18). Que fazer então? Vale a pena buscar a sabedoria e a astúcia, bem como o coração limpo de malícia?

O sofrimento e o desgosto mencionados em Eclesiastes são compensados na vida de um servo de Jesus pela alegria do Espírito. Sobre esta alegria o apóstolo Paulo escreveu aos Filipenses (Fp 2.17, 3.1 e 4.4). Existe uma alegria em Deus que todo servo do Senhor alcança quando exerce o ministério com fidelidade.

Que você busque em Deus cada vez mais a sabedoria do alto. Que se esforce por transformar esta sabedoria em astúcia. Adquira mais conhecimento. Desenvolva as inteligências que o Senhor lhe deu. Seja um líder sábio, inteligente, astuto e mantenha seu coração puro. 




terça-feira, 19 de agosto de 2014

DERRUBANDO AS FORTALEZAS MENTAIS


Em Lucas 14.1-12, encontramos o relato de Jesus visitando a casa de um fariseu importante e participando da refeição num sábado. É claro que Jesus deu certa prioridade a estar junto tanto dos fariseus como dos escribas. Por isso em Lucas temos outros quatro relatos de Jesus em casa de fariseus. Por que, afinal, Jesus gostava tanto de estar com estas pessoas de cabeças tão duras? Penso que o "cabeçadurismo" era uma das principais razões.

A religiosidade exacerbada dos fariseus evidencia um tipo de fortaleza mental muito complicada. Há poucos dias (16/08), o noticiário internacional informou que extremistas islâmicos no Iraque, na província de Nínive, mataram cerca de 80 homens da etnia yazidi porque estes não quiseram "se converter" ao Islã. Que método de "evangelismo" mais absurdo é este? Conversão ou morte! Como alguém pode achar-se cheio de razão de matar o outro que não se ajusta às suas convicções? Somente tendo fortalezas mentais religiosas.

Naquele sábado também estava na casa do fariseu um homem muito doente, hidrópico. Lucas, o escritor do Evangelho, sendo médico, registrou como hidropisia a doença do pobre homem. Uma doença que afetava rins, coração, pele, etc. Um pobre homem desenganado. E Jesus aproveitou a presença do homem para atingir as fortalezas mentais dos fariseus: É permitido curar no sábado? (Lc 14.3). A Bíblia ressalta que nenhuma resposta Jesus alcançou.

Aconteceu o milagre: Jesus curou o pobre homem. E quantos gritos de júbilo ou glórias a Deus foram dados naquele sábado? Nenhum! Ninguém expressou a mínima alegria. E o texto conta que Jesus continuou a investir: "Se um de vocês tiver um filho ou um boi, e este cair num poco no dia de sábado, não irá tirá-lo imediatamente?" (Lc 14.5). Novamente, silêncio total. 

As fortalezas mentais são construídas sobre argumentos equivocados, distorcidos. Quantas pessoas têm enormes dificuldades de desfrutar das bênçãos de Deus porque são prisioneiras destas fortalezas! 

Em II Corintios 10.4 e 5, Paulo registra que Deus nos concedeu armas para demolir tais fortalezas e anular os argumentos: As armas com as quais lutamos não são humanas, ao contrário, são poderosas em Deus para destruir fortalezas. Destruímos argumentos e toda pretensão que se levanta contra o conhecimento de Deus. 

Abaixo, o vídeo da pregação que ministrei à IBVN em 17.08.2014.


segunda-feira, 11 de agosto de 2014

TORNANDO A IGREJA NUM AMBIENTE MARAVILHOSO PARA JESUS


Mas quando os chefes dos sacerdotes e os mestres da Lei viram as coisas maravilhosas que Jesus fazia e as crianças gritando no templo: "Hosana ao Filho de Davi", ficaram indignados, e lhe perguntaram: "Não estás ouvindo o que estas crianças estão dizendo?" Mateus 21.15-16

Nosso compromisso como líderes na Igreja de Jesus Cristo é trabalhar para que a Igreja seja agradável ao crivo do Senhor da Igreja. E como deve ser uma Igreja que agrada ao Senhor Jesus Cristo? Em Mateus 21.12-17, temos pelo menos três características que compõem o ambiente maravilhoso para Jesus.

O texto descreve a ida de Jesus ao templo no período próximo à crucificação. Ele purificou o lugar, operou curas maravilhosas e inspirou as crianças a expressarem louvor a Ele. Entretanto, para os chefes dos sacerdotes e mestres da Lei presentes, a transformação operada por Jesus tornou o lugar insuportável. Podemos concluir então que uma Igreja muito boa na opinião de "especialistas" pode ser péssima no crivo do Messias. E vice versa. 

Igreja mercado ou Casa de Oração? A primeira providência que Jesus tomou no templo em Jerusalém foi expulsar todos os que ali estavam negociando. Ele expulsou todos os que ali estavam comprando e vendendo. Derrubou as mesas dos cambistas e as cadeiras dos que vendiam pombas. (Mt 21.12). Jesus disse que o lugar de culto a Deus havia se tornado um "covil de ladrões" (v. 13). Mas esta não foi a primeira vez que Jesus agiu assim no templo. Cerca de três anos antes, conforme João 2.13-16, Jesus esteve no lugar e expulsou todos os comerciantes e cambistas. Na ocasião Ele deu a ordem: Parem de fazer da Casa de meu Pai um mercado! (Jo 2.16).

O lugar onde está estabelecido como altar de adoração a Deus e onde se ministra o ensino da Palavra de Deus deve ter como marca registrada a ORAÇÃO. A Igreja se torna num ambiente maravilhoso para Deus quando a ORAÇÃO é marca registrada do Povo de Deus. Casa de Oração, lugar onde se usa desta Chave do Reino que é a oração. Aliás, como é possível produzir os FRUTOS DO REINO sem usar as CHAVES DO REINO? Em Mt 21.43, Jesus afirma que confiará o Reino de Deus ao Povo que lhe dê os frutos do Reino. 

Igreja esclarecida e encaminhada. Após expulsar os negociantes do templo, Jesus realizou milagres de curas. Intencionalmente, Ele dedicou-se naquela ocasião a curar todos os que sofriam de dois males: os cegos e os aleijados (Mt 21.14). Por que Ele curou tão somente CEGOS e ALEIJADOS? Para nos fazer entender que a Igreja dEle precisa propiciar às pessoas: Visão e Discipulado. Na Igreja Viva as pessoas são esclarecidas - libertam-se da cegueira, da ignorância. Tomam ciência de quem Deus É, do que Ele quer e de como devem viver suas vidas nEle e para Ele. Através do discipulado as pessoas aprendem que a vida cristã é uma CAMINHADA. Jesus é o Caminho (Jo 14.6). 

Daí nosso esforço em prol de que as pessoas sejam mais sábias, mais esclarecidas, mais inteligentes. Porque o ambiente somente é maravilhoso para Jesus se há esclarecimento e direcionamento para o Povo de Deus.

Igreja onde até as crianças adoram. Admirável o potencial que as crianças têm para fazer barulho na Igreja. Mas naquele dia o barulho das crianças era muitíssimo lindo. A Bíblia conta que elas gritavam: Hosana ao Filho de Davi! (Mt 21.15). Sim, a Bíblia diz que gritavam de tal modo que os sacerdotes se incomodaram muito com aquilo. Para os sacerdotes era aquela expressão era pura irreverência e heresia. Mas para Jesus era um louvor maravilhoso (v. 16). 

Uma Igreja onde até as crianças têm revelação de quem é Jesus e do quão digno Ele é de ser honrado e adorado - este é o ambiente maravilhoso que devemos buscar construir. 

No templo que Jesus chamou de "mercado" e de "caverna de ladrões", não havia oração verdadeira. Também não havia ensino e direcionamento. As pessoas entravam e saíam sem mudanças significativas em suas vidas. Não havia louvor autêntico. O prédio era lindo, a ornamentação rica, os ministros eram profissionais, mas não havia adoração sincera. 

A IBVN não abre mão de ser um ambiente maravilhoso para Jesus. Cada líder tem o dever de trabalhar em prol de construirmos e mantermos este ambiente.